Ramiro Musotto R.I.P.

20 Sep

ramiro

Faleceu na sexta feira, dia 11, o grande músico Ramiro Musotto. Reproduzimos abaixo o belo texto que seu amigo e parceiro Lucas Santtana escreveu no Diginóis. Descanse em paz, Ramiro.

“Faleceu hoje ainda muito jovem e para surpresa de muitos, um dos grandes músicos que conheci na minha vida.

Ramiro Musotto nascido em Bahia Blanca – Argentina, se apaixonou pela música Brasileira e por causa dela veio morar no Brasil em 1982, para estudar percussão brasileira com o professor Zé Eduardo Nazário em São Paulo.

Logo em seguida se mudou para Salvador, encantado com a riqueza rítmica do Candomblé e da percussão de rua.

Ramiro era um músico completo, conhecia profundamente toda a liturgia ritimica do candomblé, a ponto de escrevê-la em partitura. Não só do candomblé baiano, quem o conheceu sabe da sua personalidade intensa, tudo que o interessava virava alvo de muito estudo e dedicação até esmirilhar tal informação. Era um professor nato.

Nos anos que se seguiram na Bahia Ramiro tocou e gravou com praticamente todo mundo em Salvador. Produziu um dos maiores discos já produidos lá até hoje, chamado “Um Canto para subir”, de Margareth Menezes”. Esse disco encheu os ouvidos de David Byrne e catapultou a carreira de Margareth no exterior, apadrinhada por Byrne.

É de Ramiro também a produção da faixa “Eu sou Negão” de Gerônimo. Foi a primeira vez que a percussão de um bloco foi programada numa bateria eletrônica e essa música foi um marco divisório no carnaval da Bahia. Foi por causa dela que os trios elétricos adotaram o samba -reggae no seu set.

Além de grande percussionista, Ramiro também era entusiasta tecnológico, ele e Liminha foram as 2 primeiras pessoas no Brasil a ter e pilotar uma mpc, instrumento adotado por diversos músicos nos dias de hoje.

Ele foi um pioneiro do sampler no Brasil e usou e abusou dele em discos do Skank, Caetano Veloso e Gilberto Gil, Marisa Monte, Paralamas do Sucesso, Lulu Santos, Fernanda Abreu, Titãs, Sergio Mendes, Gal Costa, Adriana Calcanhoto, Zeca Baleiro dentre outros, com os quais tocou,  gravou e produziu ao longo desses anos.

Em 2001 Ramiro comeceu seu trabalho solo lançando o disco Sudaka. 

Em 2004 Ramiro empresta todo seu talento na gravação do disco Lenine in Cité, gravado ao vivo em Paris.  E em 2007 lança seu segundo disco: Civilização e Barbárie.

Além desses dois discos Ramiro lançou também o DVD Sudaka ao vivo com a participação de Sacha Ambeck, Leo Leobons, Kabo Duca e Felipe Continentino.

Muitos não sabem, mas Ramiro Musotto re-inventou o berimbau, depois de Nana Vasconcelos foi quem deu o grande passo a frente na modernização do instrumento, transformando-o harmônicamente e em termos de sonoridade, ao utilizar diversos tamanhos e afinações diferentes, além de cabaças de metal.

Adeus meu amigo, parabéns pelo seu rico legado deixado para nós, a música agradece a sua existência.

Que Oxalá estenda um grande pano branco na sua chegada………”

Advertisements

2 Responses to “Ramiro Musotto R.I.P.”

  1. MARCELINHO D'LUA September 28, 2009 at 11:40 pm #

    SAUDADES SUDAKA!!!!

    GENTE BOA, MUSICA D’ALMA E REMANEJADOR DE RAIZES BRASILEIRAS!!

    PUTA SAUDADE…HERMANO

    SUBIU MUITO RÁPIDO…DEVE ESTAR FALTANDO BATUQUERO BOM PROS DEUSES…VAI ENTENDER LA VIDA!

    MANDA UM ABRAÇO PRO DOM UM ROMÃO!

  2. margareth menezes October 2, 2009 at 7:16 pm #

    oi, Lucas, tudo bem?
    Alguem me disse que você escreveu e eu vim aqui da uma lida.
    Realmente foi uma grande perda, essa de Ramirraço.
    de 1990 Um canto pra subir( afropop)- 1992 Kindala (afrotecno pop) e 1995 Luz Dourada( afropop.
    Esses três trabalhos revelam toda pesquisa feita, por Ramiro Musotto e Pedro Giorlandini (arranjadores) e Nestror Madrid ( produtor), no começo na minha carreira que me deu regua e compasso até hoje, e me faz protagonista de uma grande história que muita gente não sabe e que outras fazem questão de ignorar.
    Mas o comportamento musícal afropopbrasileiro se condessão nesses três trabalhos pioneiros nesse tipo de concepção. Criando para min uma passarela de misturas que eu trazia a trago até hoje no meu comportamento misúcal.
    Trabalhamos 5 anos, e depois Ramiro foi contratado por Daniela Mercury, migrando assim a sonoridade que identificava a ousadia e a atutude explicitada apartir desses três projetos, que sem duvida nenhuma não havia nada parecido no Brasil da minha geração.
    Eu ultimamanente vinha falando com Musotto, sobre a possibilidade da gente fazer um projeto,e não deu…, mas, estou pensando em relançar alguma coisa desses CDs, para a galera que não conhece saca do quê que a gente está falando.
    Ramiro está em meu coração pra sempre!!!
    Muito obrigada Ramiraço.
    ]

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: