Archive | brasil RSS feed for this section

Daniel Haaksman

19 Oct

gostoso
Daniel Haaksman feat. MC Miltinho – Copacabana

Daniel Haaksman feat. MC Miltinho – Kid Conga

gostoso ep

O trabalho do alemão Daniel Haaksman na divulgação do baile funk no exterior já não é mais surpesa pra ninguém. Ao contrário do que dizem por aí, ele é o legítimo embaixador do funk carioca na gringa. O que talvez surpreenda alguns é que ele é um produtor de mão cheia. Sem exageros, ninguém no mundo tem feito tracks com a pegada do baile tão inspiradas e originais como o cara. Corre atrás do Gostoso EP, lançado há alguns meses e diz se a Cheetah tá errada.

Daniel Haaksman – Pobum Coco

Daniel Haaksman feat. MC Miltinho – Kid Conga (João Brasil Tecnobrega Remix)

OBS: o remix do nosso símio JB garimpou presença no Gostoso Remix EP!

Brega S/A

16 Oct

Gravado entre os anos de 2006 e 2009, o documentário Brega S/A fala sobre a cena tecnobrega de Belém do Pará. Feito por artistas pobres, gravado em estúdios de fundo de quintal e com relações profundas com a pirataria e a informalidade, o tecnobrega é a trilha sonora da periferia da cidade, uma espécie de adaptação digital da música romântica dos anos 70 e 80.

No filme, vemos qual a relação entre o tecnobrega e a popularização da tecnologia a partir do final da década de 90, bem como a maneira como esse estilo musical se associou à pirataria para criar uma rede de distribuição alternativa ao modelo proposto pelas grandes gravadoras.

Entre os principais personagens estão o MC de tecnobrega Marcos Maderito, o “Garoto Alucinado”; DJ Maluquinho, uma espécie de Iggy Pop brega da periferia de Belém; e os DJs Dinho, Ellysson e Juninho, ídolos das aparelhagens, enormes sistemas de som que realizam festas itinerantes pelos bairros mais pobres da cidade.

Brega S/A está disponível inteirinho para download no site da produtora do doc., a Greenvision.

Via URBe

Vinicius de Moraes goes baile tech

3 Oct

Muito foda o baile tech do argentino Doma Tornados, membro do coletivo Hipi Duki, que junta a voz de Vinicius de Moraes em Os acrobatas ao pancadão do funk.

Os acrobatas – Vinicius de Moraes

Subamos!
Subamos acima
Subamos além, subamos
Acima do além, subamos!
Com a posse física dos braços
Inelutavelmente galgaremos
O grande mar de estrelas
Através de milênios de luz.

Subamos!
Como dois atletas
O rosto petrificado
No pálido sorriso do esforço
Subamos acima
Com a posse física dos braços
E os músculos desmesurados
Na calma convulsa da ascensão.

Oh, acima
Mais longe que tudo
Além, mais longe que acima do além!
Como dois acrobatas
Subamos, lentíssimos
Lá onde o infinito
De tão infinito
Nem mais nome tem
Subamos!

Tensos
Pela corda luminosa
Que pende invisível
E cujos nós são astros
Queimando nas mãos
Subamos à tona
Do grande mar de estrelas
Onde dorme a noite
Subamos!

Tu e eu, herméticos
As nádegas duras
A carótida nodosa
Na fibra do pescoço
Os pés agudos em ponta.

Como no espasmo.

E quando
Lá, acima
Além, mais longe que acima do além
Adiante do véu de Betelgeuse
Depois do país de Altair
Sobre o cérebro de Deus

Num último impulso
Libertados do espírito
Despojados da carne
Nós nos possuiremos.

E morreremos
Morreremos alto,
imensamente
IMENSAMENTE ALTO.

Tecnobrega juice

22 Sep

A marca de sucos do bem™ (já provou a limonada deles??) mandou bem (hehe) mais uma vez.

A direção de arte é do gênio Breno “Hardcuore” Pineshi e o remix brega do Carrapicho é do nosso João Brasil.

Bingo.

Ramiro Musotto R.I.P.

20 Sep

ramiro

Faleceu na sexta feira, dia 11, o grande músico Ramiro Musotto. Reproduzimos abaixo o belo texto que seu amigo e parceiro Lucas Santtana escreveu no Diginóis. Descanse em paz, Ramiro.

“Faleceu hoje ainda muito jovem e para surpresa de muitos, um dos grandes músicos que conheci na minha vida.

Ramiro Musotto nascido em Bahia Blanca – Argentina, se apaixonou pela música Brasileira e por causa dela veio morar no Brasil em 1982, para estudar percussão brasileira com o professor Zé Eduardo Nazário em São Paulo.

Logo em seguida se mudou para Salvador, encantado com a riqueza rítmica do Candomblé e da percussão de rua.

Ramiro era um músico completo, conhecia profundamente toda a liturgia ritimica do candomblé, a ponto de escrevê-la em partitura. Não só do candomblé baiano, quem o conheceu sabe da sua personalidade intensa, tudo que o interessava virava alvo de muito estudo e dedicação até esmirilhar tal informação. Era um professor nato.

Nos anos que se seguiram na Bahia Ramiro tocou e gravou com praticamente todo mundo em Salvador. Produziu um dos maiores discos já produidos lá até hoje, chamado “Um Canto para subir”, de Margareth Menezes”. Esse disco encheu os ouvidos de David Byrne e catapultou a carreira de Margareth no exterior, apadrinhada por Byrne.

É de Ramiro também a produção da faixa “Eu sou Negão” de Gerônimo. Foi a primeira vez que a percussão de um bloco foi programada numa bateria eletrônica e essa música foi um marco divisório no carnaval da Bahia. Foi por causa dela que os trios elétricos adotaram o samba -reggae no seu set.

Além de grande percussionista, Ramiro também era entusiasta tecnológico, ele e Liminha foram as 2 primeiras pessoas no Brasil a ter e pilotar uma mpc, instrumento adotado por diversos músicos nos dias de hoje.

Ele foi um pioneiro do sampler no Brasil e usou e abusou dele em discos do Skank, Caetano Veloso e Gilberto Gil, Marisa Monte, Paralamas do Sucesso, Lulu Santos, Fernanda Abreu, Titãs, Sergio Mendes, Gal Costa, Adriana Calcanhoto, Zeca Baleiro dentre outros, com os quais tocou,  gravou e produziu ao longo desses anos.

Em 2001 Ramiro comeceu seu trabalho solo lançando o disco Sudaka. 

Em 2004 Ramiro empresta todo seu talento na gravação do disco Lenine in Cité, gravado ao vivo em Paris.  E em 2007 lança seu segundo disco: Civilização e Barbárie.

Além desses dois discos Ramiro lançou também o DVD Sudaka ao vivo com a participação de Sacha Ambeck, Leo Leobons, Kabo Duca e Felipe Continentino.

Muitos não sabem, mas Ramiro Musotto re-inventou o berimbau, depois de Nana Vasconcelos foi quem deu o grande passo a frente na modernização do instrumento, transformando-o harmônicamente e em termos de sonoridade, ao utilizar diversos tamanhos e afinações diferentes, além de cabaças de metal.

Adeus meu amigo, parabéns pelo seu rico legado deixado para nós, a música agradece a sua existência.

Que Oxalá estenda um grande pano branco na sua chegada………”

Mais Calypso

28 Aug

dancing cheetah + calypso

dancing cheetah + calypso 2

A Cheetah tarda mas não falha. Tamanha foi a ressaca que a macaca precisou hibernar durante alguns dias pra voltar a ativa. Voltaremos a partir deste post com a programação normal.

Calypso é foda; o Chimbinha é gente boa; a gordinha arrebenta.

El G Y El Remolón @ Cha Cha Cha – SP

18 Aug

cha cha cha

Está em São Paulo? Então não perca essa festa hoje por nada! El G, capo do coletivo Zzk, junto com El Remolón na Cha Cha Cha. Aiaiaiaiai… Isso só pode dar certo!

Uma salva de palmas a Ale Mader e a Cha Cha Cha pela iniciativa!

Cha Cha Cha – only latin beats Convida Zizek (ARG)

Prosseguindo com a sua residência no “Salão de Baile do Vegas” – novo projeto que tem agitado as terças-feiras do club precursor do Baixo Augusta – a ChaChaCha reforça sua parceria com o Zizek, festa e selo que estão redefinido a cumbia produzida na Argentina. Mantendo o foco da festa no Vegas nas sonoridades latino americanas contemporâneas e suas recentes fusões com alguns gêneros da música pop, temos o prazer de convidar dois importantes nomes da Zizek crew para a festa do dia 18 de agosto: El G e El Remolón.

Os novos hermanos convidados do coletivo argentino prometem chegar com todos gás para incendiar a pista de dança mais latina de São Paulo. Enquanto El G (que é um dos fundadores do Zizek e também o homem por trás do site cultural bilíngüe whatsupbuenosaires.com)  prepara um DJ set repleto de novidades e hits contemporâneos latinos, sua especialidade,  El Remolón, promete todo a animação e vigor habitual de suas performances ao vivo. Prepare-se para dançar até não poder mais ao som das melhores versões de cumbia villera, electro reggaetón, cumbia digital, dancehall, dubstep e muito mais.

Os idealizadores da ChaChaCha, Aletronica e HZ ,  também prometem encararam versões  DJ residente e completam o line-up da festa, com seus compilados especiais que sempre colocam a galera para bailar.

E já sabe: não esqueça de vestir sapatos confortáveis e levar junto seu melhor sorriso.

Buenas, a bailar chinitos carnavaleros!!!!!!

Cha Cha Cha – only latin beats
convida Zizek (ARG)

Dia 18 de agosto no Salão de baile do Vegas
El G (special DJ set)
El Remolón (live PA)

E ainda os residentes Aletronica e HZ!!

Serviço:
A partir das 23:30hs no Vegas Club (Rua Augusta, 765)
Ingressos:
M $15 (R$10 com nome na lista)
H $20 ($15 com nome na lista)
(lista: festa.chachacha@gmail.com ou no site do Vegas)

Saiba mais em:
www.myspace.com/festachachacha
www.flickr.com/photos/festachachacha

João Brasil – Lluvia Kookaburra

30 Jul

Depois de muitas Cheetahs, o símio mais fanfarrão do hemisfério sul viciou na cumbia. Viciou tanto, mas tanto, que acabou fazendo sua versão do gênero, uma cumbia com funk; a primeira de muitas por aí!

Ouça e baixe aqui

Dancing Cheetah 21/07 – DJ Chernobyl

19 Jul

CHEETAH-3

chernobyl

O convidado de honra da próxima Cheetah, dia 21, é o gaúcho Fredi Endres, o DJ Chernobyl. Pra quem não sabe, Chernobyl, em 1995, deu um sacode geral no funk carioca quando inseriu guitarras e atitude rocker ao batidão. Quem aí não se lembra de Detetive, da banda de Chernobyl Comunidade Nin-Jitsu?

Comunidade Ninjitsu – Detetive

Logo depois o Edu K entrou na vibe com a sua “Popuzuda” e o funk carioca nunca mais seria o mesmo.

N.A.S.A. – Watchadoin (DJ Chernobyl Bailemix)

Dj Chernobyl – Chatuba de Mesquita (Montagem 2009)

Além de gigs pelo mundo todo como DJ, Chernobyl está envolvido na produção do novo disco do Bonde do Rolê (banda que ele descobriu, produziu e apresentou ao Diplo) e no projeto de electro-rock Brollies and Apples.

Brollies & Apples – Rented Dreams

Lembra a entrevista que o Fabiano Moreira, do Agemda, articulou entre o Chernobyl e o Edu K? Pois é. Agora é a vez do Edu entrevistar o Chernobyl!! (roubado do Agemda).

Edu K – Primeira (e mais importante): qual a importância e influência do Luisinho Louie na tua vida?
Chernobyl – O Luizinho (um velho rockeiro da antiga daqui de Porto Alegre…Ele é bem freaky, doidão, não diz mais nada com nada) me ensinou o poder das maracas, o balanço rockeiro, o preto no branco, o branco no preto. Ele também me ensinou que o triângulo tem um som mais bonito quando é tocado com uma baqueta de metal. Hahahaha!

E – Como é que tu consegue fazer as putas mixes que tu faz, usando caixinha de computador como referência? Baita mestre! Ah e, by the way, quer comprar um par de monitores Samson por 700 pilas? Hahahah!

C – Haha! Não uso caixinhas de computador como referência, uso um fone que conheço bem o som dele. Sei a medida certa que ele engana no grave e tudo que ele exagera no volume de vozes. À tarde, ligo meu notebook nas caixas do meu aparelho de som Sony, com caixas de madeira, e confiro as mixagens sem e com boost grave com minhas orelhas, na mesma altura que as caixas, a um metro de distância, depois vou até a cozinha, fazer um Nescafé, ouvindo o som de trás, como se eu estivesse em um backstage ouvindo um DJ.
O som tem que ser bom de todas as maneiras possíveis. Depois, passo o track pra cd e dou um rolê de carro, e se a mix é muito responsa, (vai sair na gringa), eu peço uns 15 minutos pra ouvir em um estúdio fodão que tem perto da minha casa. É uma maneira estranha, mas sempre acerto. Normalmente, não preciso retocar nada depois de ouvir em estúdio. O dinheiro que eu tinha guardado pra comprar teus monitores gastei todo em comida tailandesa. Se rolar uma grana extra, inesperada, eu compro.

E – Quando é que tu vai fazer um disco de Neo Baile Funk com o George Clinton e qual vai ser o carro-chefe?
C – Pois é…acho que ta mais fácil eu fazer com o Bill Clinton… Afinal, o 2 Live Crew botou um diálogo dele com a Monica Lewinski na introdução de Me So Horny. Mas, se eu fosse samplear George Clinton pra fazer baile-funk, eu não saberia nem por onde começar.

E – Quando a tua nova banda Brollies & Apples ficar rica e famosa (que isso vai rolar certo) posso ser teu roadie e viajar o mundo desafinando a tua guita? Huahauhau!
C – Claro que pode. Te pago em balas, chicletes, doces, guloseimas e Fanta d’uva.

E – Como que tu permite que um DJ K-fageste toque minimal na tua festa que se chama Maximize? hahauahuahu!
C – A melhor maneira de maximizar ao extremo é aceitar todo tipo de som que é bem mixado. Até o minimal entra no liquidificador sonoro da festa. Mas o teu minimal é neo-minimal tropical house in full effect, muito melhor do que aquele chato minimal dos anos 2000, o teu é pós, pós… Aquele que minha turma de amigos de Berlim adora.

Dancing Cheetah & Calypso!

14 Jul

EXTRA: dia 21 de agosto tem aparição especial da macaca na Fundição! É a Dancing Cheetah colocando todo mundo pra dançar antes e depois do show do CALYPSO!!! Vamos fazer um set especial tropicaliente! E enquanto agosto não vem, nos vemos hoje na casa da matriz! Cheetah!!!

%d bloggers like this: