Tag Archives: angola

Makula

13 Apr


A Makula é basicamente uma festa de afrobeat, gênero musical que assimila jazz, soulfunky e elementos propriamente africanos criado pelo nigeriano Fela Kuti. Mas também marcam presença nessa que é a prima africana da Cheetah, ritmos como highlife, juju, soukous, afrorock, voodoo Funk, räi, kuduro, etc.

Contando com os residentes Gustavo Benjão, Lucio Branco e Zé McGill, a Makula já recebeu em pouco mais de um ano de atividade os DJs Zebu, Stephane San Juan, Dany Roland, MAM, Lucio K e o referencial Mauricio Valladares. Além de shows do: Conjunto Musical do Amor, Abayomy Afrobeat Orquestra, Rubinho Jacobina & Força Bruta, e os caboverdianos Helio Ramalho e Fidjus.

A pedido da Cheetah, os DJs Zé MacGill e Lucio Branco fizeram uma seleta classe A com 10 registros essenciais para a festa, que nesta quinta, dia 15, recebe Sergio Zola, nascido em Angola, mas criado em Kinshasa, capital da República Democrática do Congo (ex-Zaire). Zola, entre outros, vai tocar estilos nativos como o ndombolo (soukous contemporâneo) e zouk!

Makula
5ª feira, 15 de abrilMofo Lapa (Av. Mem de Sá, 94 – Lapa)
Tel. 2221-9851
R$15,00 – R$12,00 (c/ filipeta ou mandando nome para a lista amiga: festamakula@gmail.com)
A partir das 22hs

1. Fela Kuti – “Don’t gag me”
Fela Kuti é o pai do afrobeat, gênero musical que assimila jazz, soulfunky e elementos propriamente africanos. Este vídeo é parte do documentário Ginger Baker in Africa, de 1971. Pra resumir, se não existisse Fela Kuti, não existiria a festa Makula.

2. Seun Kuti – “Many things”
Seun é o filho caçula do homem. Ele toca com a Egypt 80, que era a banda do pai nos anos 1980, e é quem melhor representa a música de Fela no mundo, tanto no som quanto no discurso. “Many Things” é a música mais pedida do programa Makula, na Rádio Gruta. Escute o programa aqui.

3. Franco & T.P. OK Jazz – “Bolingo ya moitie-moitie”
Franco é o rei do Soukous e da guitarrada do Congo (ex-Zaire) e chefão da orquestra T.P. OK Jazz. O cara manufaturou sua própria guitarra aos seis anos de idade. Precisa dizer mais? O Sergio Zola, angolano/congolês que fará show na próxima Makula (15/04), bebe desta fonte aí…

4. Orchestre Poly-Rythmo de Cotonou – “Se Tche We Djo Mon”
Diretamente do Benin (“o Brasil que deu certo”), ei-los aí: os mestres supremos do Voodoo Funk! O grupo, que foi um dos expoentes do som africano nos anos 1960 e 1970, voltou em 2009 e está na estrada. Quem sabe um dia a gente traz eles pro Brasil e assim voltamos todos com os caras, invertendo a mão da diáspora? É jogo, hein?

5. Sagbohan Danialou – trecho do filme “L’homme orchestre”
Sagbohan Danialou é um músico popular no Benin (vide aí a reação da rapaziada ao mega hit Gbeto Vivi) que já gravou e se apresentou com a Orchestre Poly-Rythmo em algumas oportunidades. Inclusive, a gravação mais conhecida desta canção é com a banda oficial do país que é a pátria espiritual da MAKULA. Saquem a perícia de Mr. Danialou c/ as baquetas… O homem é multi-instrumentista…

6. Orchestra Baobab – “Colette”
Esta talvez seja uma das únicas músicas que rolaram em todas as edições da MAKULA até hoje. A Orchestra Baobab é de Dakar, Senegal, mas o som deles carrega várias influências, especialmente da música cubana. Não existia vídeo desta música no Youtube, por isso, a Makulinha Productions entrou em ação e criou o vídeo abaixo.

7. Mulatu Astatke – “Yegelle tezeta”
Alguém de muito bom gosto criou este vídeo, com a música do Mulatu e um vídeo do desenho do Mogli. Astatke é uma lenda do jazz da Etiópia. Ficou mais conhecido depois que o Jim Jarmusch incluiu músicas dele na trilha sonora do filme Flores partidas.

8. Os Bongos – “Lena
Mais um vídeo caseiro oferecido pela Makulinha Productions (rs) para mais um clássico da pista makulense! Os Bongos são de Angola e “Lena” faz parte de uma coletânea muito cascuda chamada Soul of Angola, uma antologia da música angolana de 1965 a 1975.

9. Konono nº 1 – Congotronics!
Aqui, um trecho do documentário Congotronics, imprescindível pra quem curte música africana. Konono nº 1 é um encontro de gerações de músicos do Congo que, munidos das suas kalimbas eletrificadas, sabem como ninguém unir ritmicamente o tradicional e o moderno!

10. Kokolo Afrobeat Orchestra – Live in Totnes!
Taí uma prova de que a música do Fela está devidamente espalhada pelo mundo. Kokolo é uma banda de Nova Iorque e este vídeo é de um show em Totnes, na Inglaterra. A gente gosta é quando a pista da MAKULA fica assim, que nem a pista do show do Kokolo!

Kuduro Hochi Fu

31 Oct

Quer ouvir os kuduros mais novos e irados de Luanda e não sabe como? A dica não é procurar por artista X ou selo Y, mas sim pelo diretor de clipes Hochi Fu no You Tube.

Noite e Dia – Tá maluca

Big Nelo feat. Vagabanda – Surra

JD feat. Yuri da Cunha – Vão bater mal

Vagabanda – Do manganza

Supremos feat. Djamila Delves – Tá sair bem

Yuri da Cunha

27 Oct

O amigo da Cheetah Felipe Herz Boclin aka Fils aka Filzinho aka Mestre, acaba de voltar de uma trip à Africa, mais especificamente Moçambique, África do Sul e Angola. Sua primeira dica (ele ainda deve à macaca um dossiê extenso!) é o angolano Yuri da Cunha, um dos mais conhecidos cantores de Luanda e que agora excursiona pela Europa abrindo os shows do italiano (WTF) Eros Ramazzotti.

Já faz um tempinho que o kuduro e a música angolana tem marcado presença em Salvador. No carnaval desse ano, teve até Yuri da Cunha! E, vejam só, até no Altas Horas o Yuri deu as caras!!

Comfusões – from Angola to Brasil

20 May

comfusões

Muito interessante esse disco que acabou de sair, o Comfusões. Projeto do Maurício Pacheco (Stereo Maracanã) com lançamento pela Out/Here, da Alemanha, Comfusões reúne o melhor do pop angolano dos anos 60 e 70 remixado por alguns dos mais renomados produtores Brasileiros, como Mario Caldato, Berna & Kassin, DJ Dolores e Rica Amabis.

Maurício, que vem viajando para Angola desde 2000, obteve acesso aos arquivos da Rádio Nacional Angolana e selecionou belos trabalhos Artur Nunes, Teto Lando, Bonga e outros artistas locais.

Hoje muito associada ao Kuduro, é legal ouvir outras sonoridades da Angola, nesse caso re-interpretadas por brasileiros. Uma prova real que podemos dividir muito mais com nossos irmãos angolanos (e moçambicanos, cabo-verdeanos…) do que apenas a língua.

Bonga – Kapakiao (Kassin e Berna Ceppas rmx)

%d bloggers like this: