Tag Archives: lucas santtana

Pitch Perfect: South America

1 Jun


Legal esse Pitch Perfect, projeto da Fader com a Nike. O primeiro volume foi curado pelo Maga Bo e tem como foco a América do Sul. O Maga Bo, você sabe, é um dos grandes nomes do global guettotech.

Nike Sportswear x The FADER’s Pitch Perfect Mixtape #1: South America by Maga Bo

El Hijo de la Cumbia, “Soy El Control” (Argentina)
Petrona Martinez, “Un Nino que Llora en los Montes de Maria (King
Coya & Axel K Remix)” (Colombia/Argentina)
Choc Quib Town, “Somos Pacifico” (Colombia)
Fauna, “El Gauchito Gil” (Argentina)
Princesa, “Aqui Llega Princesa (Frikstailers Remix)” (Argentina)
Samba de Coco Raízes de Arcoverde, “Ê Boi (Maga Bo Remix)” (Brazil)
Lucas Santtana, “M’Bala” (Brazil)
Digitaldubs Sound System, “O Arrego feat. Biguli” (Brazil)
Systema Solar, “Bienvenidos” (Colombia)
King Elio Boom, “El Fulo” (Colombia)
Jahdan Blakkamoore, “Earthshaking” (Guyana)

Ainda vão rolar mais cinco mixtapes, cada uma representando um continente. Fique ligado para edições contemplando Europa, América do Norte, Asia, Australia e África.

Lucas Santtana & Dancing Cheetah

26 May

Sábado tem show do Lucas Santtana no Rio com discotecagem da Cheetah (antes e depois).  Confira todas as coordenadas no flyer acima e mande o seu nome para a lista amiga: dancingcheetah09@gmail.com

3 perguntas para Lucas Santtana

DC: Você disse em entrevistas passadas que é bastante influenciado pelas festas que freqüenta. E que isso acaba repercutindo na sonoridade dos seus discos. Se a lógica é essa, será que vamos ouvir alguma coisa de global guettotech no seu próximo disco?

LS: Hahahahaha, rapaz, é bem provável, mas nunca se sabe né? Eu discoteco esse tipo de som também, então de alguma forma já coloco isso pra fora. Mas meus discos sempre tem beats de origem negra e graves poderosos, então, se pensarmos assim, com certeza terá.

DC: Essa coisa do global ficou tão forte que vc tá com um projeto de festa em SP, né? Explica como é a Boom Boom.

LS: A BOOM BOOM nasceu de um desejo antigo meu e do El Roquer (Confronto Sound System – Bsb) de fazer uma festa de global guettotech em São Paulo. Daí, El Roquer chamou o Nego Moçambique e o Barata (Criolina) para fazer com a gente. Depois pensamos em fazer uma edição da festa no Rio e em Brasília também. Assim ficaria uma festa interrestadual. Para a festa no Rio pensamos nos embaixadores do global guettotech aí. Uns caras da Dancing Cheetah, conhece? E em Brasília, a galera do Confronto mesmo.
Sábado passado rolou a primeira edição aqui em São Paulo, casa cheia e saldo mais do que positivo, principalmente porque muitos que foram não conheciam o som, mas se divertiram mesmo sem conhecer.E festa é meio que isso né? Ninguém precisa ir lá e saber qual é a música, de quem é, etc. Quando rola essa indentificação é o céu, mas não é requisito para uma festa acontecer.

DC: Quando o povo aqui do Rio se refere a vc falamos sempre no bahiano-carioca Lucas Santtana. O quanto disso é verdade. Ou o que vc tem de bahiano e o que vc tem de carioca?

LS: Nasci e fui criado em Salvador. Moro no Rio há 16 anos, e há 1 ano venho “morando” na ponte rio- são paulo. Adoro São Paulo. Me sinto bem aqui, por mais estranho que isso pareça.hahahahaha. Sei que é clichê falar isso, mas desde adolescente na Bahia sempre tive um sentimento forte dentro de mim de que eu era e estava para o mundo. Vai ver é por isso que eu gosto tanto de global guettotech, haushaushaushaus!

O que o Lucas gosta de ouvir (e tocar)

Dancing Cheetah na Clap! e com Lucas Santtana

14 May

Quem estava com saudades da Dancing Cheetah, terá neste final de maio dois excelentes motivos pra ficar juntinho da macaca. No dia 20, quinta-feira, invadimos a Clap!, lá no 00.  E no dia 29, sábado, desta vez no Teatro Odisséia, abrimos e fechamos o show do nosso irmão Lucas Santtana (sim, sim, vai ter show no Rio!). Aguarde na semana que vem o email com a lista amiga para a Clap!, além de promos e maiores infos sobre o monstro Wolf.


CLAP 20.5
Dancing Cheetah Dj Set

Chico Dub_Pedro Seiler_Wolf (Wolfram Lange_Alemanha)
+ Gustavo mm

Convidado: Wolf (Alemanha)
Esse alemão
que mora há anos no Rio, é um dos grandes pesquisadores de música periférica na blogosfera. Viajante dos bons, Wolf esteve recentemente no México e garimpou o que ele vêm chamando de technocumbia ou tribalcumbia.

Festa Fix hoje com Chico Dub e Lucas Santtana

21 Apr

O símio mais agressivo da Cheetah toca hoje junto com o Lucas Santtana na Festa Fix. Oportunidade bem bacana de ouvir o tal global guettotech na boa e velha pistinha 2 da Matriz.

Release:

Hoje rola uma edição especial da Fix. A festa, que nasceu em 2007, se dedicava a expressar a crescente mistura do pós & disco punk na eletrônica junto com a busca por elementos bacanas de gêneros old-school que mereciam permanecer nas pistas (acid house, disco, electrofunk). Essa combinação vingou e virou realidade nas pistas de hoje, chame de indie-dance, nu-disco ou do que for.


Hoje, a tendência mais forte é olhar para fora do nosso universo urbano (cada vez mais homogêneo) e procurar nas culturas locais por outras identidades; mais cruas e livres da saturação; nos guetos, no regional, nas periferias. Entra em cena um perfeito complemento para a Fix: o global guettotech, que faz justamente essa mistura do regional com o que há de moderno nas pistas. Quem vai representar o estilo na Fix é quem mais domina o assunto: Chico Dub (Dancing Cheetah) e Lucas Santtana. Na pista 1, Gustavo mm, Nepal e Markinhos Meskita trazem o electro-disco-rock desse e de todos os tempos!

Serviço:

FIX
Gustavo MM
Markinhos Meskita
Nepal

Na pista 2
Chico Dub
Lucas Santtana

Preços:
R$18 até 1am com nome na lista (chicodub@gmail.com)
R$22 depois de 1am com nome na lista (chicodub@gmail.com)
R$30 fora da lista

Casa da Matriz
Henrique Novaes 155, Botafogo

Dancing Cheetah de verão – 19/01

19 Jan

Amanhã, 19 de janeiro, rola a segunda edição da Dancing Cheetah de verão. Aonde? Na boa e velha Casa da Matriz, é claro. Além dos residentes Pedro Seiler e Chico Dub, e do grande mestre DJ Dolores, um dos precursores dessa onda de misturar influências de todos os cantos do planeta em seus sets, a Cheetah ainda conta com El Rocker (patrão do Confronto Sound System, de Brasília) e o amigo da macaca, Lucas Santtana.

El Rocker e Lucas são amigos de longa data e por isso fizemos a proposta dessas entrevistas. Com direito a vídeos!

Não perca a próxima Cheetah. Mais uma vez, um mini-festival de global guettotech por 15 reais com nome na lista amiga. Deep.

El Rocker entrevista Lucas Santtana

1) Se a gente pudesse ponderar sobre isso, o quanto da sua criação como músico/compositor interfere no que você toca como dj?

Por incrível que pareça eu sempre achei que eram coisas bem separadas, mas outro dia o Emilio Domingos me fez ver que todos os meus discos, fora o último, tiveram inspiração em festas que eu frequentava na época. E mesmo o Sem Nostalgia tem as faixas que são mashup e “I can’t live far from my music”, que é um dance hall meio cabeçudo.

2) Você acha que a satisfação de tocar pra uma pista, que está lá por conta do que você tá tocando, pode se aproximar da sensação de subir no palco e fazer um show?

Para mim é bem diferente porque tocar com uma banda é muito orgânico, é como jogar bola com amigos, discotecar é como jogar futebol no videogame, é também emocionante, mas diferente. E as pessoas que vão no meu show, querem ouvir as minhas músicas, na pista muitas vezes as pessoas nem sabem quem está discotecando, querem mesmo é dançar e azarar. Quando a pista está lá por indentificação com o som é muito foda. Tipo religião.

3) Qual seria a sua reação se o seu filho chegasse pra você e dissesse que quer ser dj…você expulsaria ele de casa?

hahahaha, porra, eu iria adorar! O bom de ser dj é que você sempre quer tocar uma música nova, e isso faz você garimpar sempre.

4) Ouvi dizer que existe um movimento forte pela volta do corte de cabelo original do David Cole…procede?

HAUSHAUSHAUSHAUSHAUS! Ele vai ler isso heim! David, gostamos da sua careca! hahahahaha

5) Você já pensou em fazer um disco remix do “Sem Nostalgia” com o Memê?

Não, pensei em fazer com o Confronto, vai encarar?

6) O que você tem ouvido na linha Cheetah?

113 & Magic System – Un gaou oran

Mc Roger – Dançamos Assim

Carmensita (Toy Selectah Raverton Refix) – Devendra Banhart

Poirier with Face-T at Cervantino (Live Festival Mexico)

The Anthem Remix (Defense) – Machel, Pitbull, Lil Jon

Lucas Santtana entrevista El Rocker

1) Porque a alcunha de El Rocker e como ela surgiu?

el roquer? O nome, obviamente, é uma referência ao Agustus Pablo, mas também uma brincadeira com o estereótipo que as pessoas criam quando você fala que gosta de reggae. A coisa mais comum é me perguntarem se eu toco rock. E a reposta é sempre a mesma…rock não, Death Metal!

2) Conta, para quem ainda não sabe, um pouco da história do Confronto Sound System

O Confronto surgiu com dois objetivos bem definidos: diversão e arrumar uma maneira de viabilizar os sounds na rua. Eu me mudei para Brasília querendo tocar o que eu estava ouvindo naquele momento e por uma feliz coincidência tinha muita gente aqui se interessando pelas mesmas coisas. Na verdade, a duração do confronto como projeto pessoal foi somente uma festa, na seguinte já tinhamos 11 pessoas que de uma maneira ou de outra faziam parte do grupo! O tempo passou, muita coisa mudou, mas eu continuo tendo o prazer e o orgulho de tocar com o Ogro e com o Zula…Além, de agradecer todos os dias pelo Fisch xaropar bem menos hoje!

3) Nas minhas discotecagens pelo Brasil afora sempre fiquei impresionado com as festas em Brasilia. Não só pela animação da galera mas também pela indentificação com o som, muitas vezes coisas novas ou desconhecidas, porque você acha que isso rola? Ou é viagem minha? hahahahaha

Tanta gente que toca em Brasília tem essa impressão, que eu começo a acreditar que isso realmente é verdade! Talvez seja o resultado da ausência de uma praia!

4) O que você tem baixado e ouvido?

Estava pensando sobre isso outro dia…se existe muita diferença nas coisas que eu escuto/toco agora, para as coisas do começo do Confronto. A conclusão que que eu cheguei, foi que não. O que sempre me interessou foram as misturas e isso continua sendo o grande referêncial. Eu tenho uma total reverência pelo Reggae/Dub, posso dizer que esse é o meu ponto de partida, mas o caminho passa pelo kuduro, soca, dancehall, afro-beat, funk carioca ou qualquer outro tipo de música que possa se relacionar com essa origem.

5) Você não acha que, de uma maneira geral, as músicas avulsas baixadas em blogs hoje em dia são superiores as encontradas nos discos? Caso sua resposta seja sim, porque você acha que isso rola?

Não acho que isso seja uma característica específica da música, acho que tem a ver com a informação em geral. Cada vez mais é complicado para os meios tradicionais, engessados por toda a estrutura armada durante anos, conseguirem dar conta da velocidade e da diversidade do que está sendo criado. No que diz respeito a produção musical, existem blogs que tem o poder de realmente fazer com que determinados artistas ganhem projeção pelo simples aval creditado a sua música.

6) Mostra uns vídeos ae!

Malewa – The African Skank

Toddla T – Shake it

Afrikan Boy – One Day I went toLidl

Doctor – UK Funky Dancehall

Sergent Garcia – Acabar Mal


Ramiro Musotto R.I.P.

20 Sep

ramiro

Faleceu na sexta feira, dia 11, o grande músico Ramiro Musotto. Reproduzimos abaixo o belo texto que seu amigo e parceiro Lucas Santtana escreveu no Diginóis. Descanse em paz, Ramiro.

“Faleceu hoje ainda muito jovem e para surpresa de muitos, um dos grandes músicos que conheci na minha vida.

Ramiro Musotto nascido em Bahia Blanca – Argentina, se apaixonou pela música Brasileira e por causa dela veio morar no Brasil em 1982, para estudar percussão brasileira com o professor Zé Eduardo Nazário em São Paulo.

Logo em seguida se mudou para Salvador, encantado com a riqueza rítmica do Candomblé e da percussão de rua.

Ramiro era um músico completo, conhecia profundamente toda a liturgia ritimica do candomblé, a ponto de escrevê-la em partitura. Não só do candomblé baiano, quem o conheceu sabe da sua personalidade intensa, tudo que o interessava virava alvo de muito estudo e dedicação até esmirilhar tal informação. Era um professor nato.

Nos anos que se seguiram na Bahia Ramiro tocou e gravou com praticamente todo mundo em Salvador. Produziu um dos maiores discos já produidos lá até hoje, chamado “Um Canto para subir”, de Margareth Menezes”. Esse disco encheu os ouvidos de David Byrne e catapultou a carreira de Margareth no exterior, apadrinhada por Byrne.

É de Ramiro também a produção da faixa “Eu sou Negão” de Gerônimo. Foi a primeira vez que a percussão de um bloco foi programada numa bateria eletrônica e essa música foi um marco divisório no carnaval da Bahia. Foi por causa dela que os trios elétricos adotaram o samba -reggae no seu set.

Além de grande percussionista, Ramiro também era entusiasta tecnológico, ele e Liminha foram as 2 primeiras pessoas no Brasil a ter e pilotar uma mpc, instrumento adotado por diversos músicos nos dias de hoje.

Ele foi um pioneiro do sampler no Brasil e usou e abusou dele em discos do Skank, Caetano Veloso e Gilberto Gil, Marisa Monte, Paralamas do Sucesso, Lulu Santos, Fernanda Abreu, Titãs, Sergio Mendes, Gal Costa, Adriana Calcanhoto, Zeca Baleiro dentre outros, com os quais tocou,  gravou e produziu ao longo desses anos.

Em 2001 Ramiro comeceu seu trabalho solo lançando o disco Sudaka. 

Em 2004 Ramiro empresta todo seu talento na gravação do disco Lenine in Cité, gravado ao vivo em Paris.  E em 2007 lança seu segundo disco: Civilização e Barbárie.

Além desses dois discos Ramiro lançou também o DVD Sudaka ao vivo com a participação de Sacha Ambeck, Leo Leobons, Kabo Duca e Felipe Continentino.

Muitos não sabem, mas Ramiro Musotto re-inventou o berimbau, depois de Nana Vasconcelos foi quem deu o grande passo a frente na modernização do instrumento, transformando-o harmônicamente e em termos de sonoridade, ao utilizar diversos tamanhos e afinações diferentes, além de cabaças de metal.

Adeus meu amigo, parabéns pelo seu rico legado deixado para nós, a música agradece a sua existência.

Que Oxalá estenda um grande pano branco na sua chegada………”

Lucas Santtana!

13 May

dancingcheetah_lucas santtana

lucas santtana

Um dos mais talentosos músicos da nova geração de artistas brasileiros, o baiano-carioca Lucas Santtana também é um DJ de mão cheia. Prestes a lançar seu quarto disco, uma nova, experimental e ousada expansão do formato voz e violão, Lucas Santtana vai mostrar na Dancing Cheetah sua pesquisa musical envolvendo ritmos jamaicanos, africanos e latinos. A discotecagem de Lucas Santtana na Dancing Cheetah comemora também os 3 anos do site Diginois, espaço de divulgação do artista repleto de textos sobre tecnologias digitais, open business e boa música.

O jornalista Fabiano Moreira, do Agemda, fez um super post sobre a próxima Dancing Cheetah, que neste domingo recebe o músico e DJ Lucas Santtana. A pedido do blog, Lucas fez uma mixtape irada, repleta de sons do seu repertório como DJ e que ilustra a diversidade musical que a Cheetah compartilha com o seu trabalho. Saca o setlist:

Lucas Santtana – Dancing Cheetah Mixtape

1 – Cousin Cole – Major Ager
2-   Diplo –  Hollaback girl Baltimore holl
3-   Lucas Santtana & Seleção Natural – Pela orla dos velhos tempos
4-   Lucas Santtana – Super violão mashup
5-   Cassiano – Tchutchuca con leche (Bonde do Tigrão/ El Presidente)
6-   Da Lata – Ska cubano
7-   Ghislain Poirier – Poiriersound #4
8-   Santogold – Say Aha TEPR remix
9-   Fugges – Fiestala The Heatwave Refix
10- Lily Allen & General Levy – Mad Ldn
11-  Mr Catra – 4 X 4 Cassiano Rmx/ Atividade Dobrada
12- Cousin Cole – Major rager #2
13-  Bonde do tigrão – Kuduro remix
14- DJ C and Mc Jorge Stylo – Juce
15- Shantel – Fige Ki Ase Me
16- Pio Lobato – tecnobrega #1
17- João Brasil – Baile Parangolé
18- DJ Mujava – Township Funk
19- Beck – Bad Cartridge E-Pro Remix
20- Maderito e Joe – Passageiros da nave
21- Kleva – Mapaputsi (Maga Bo remix)
22- Orquestra Brasileira de Música Jamaicana – O Guarani

Vai lá e baixa a mix!

E se você ainda não foi na Dancing Cheetah, olha só o que você tá perdendo! São fotos da última edição, com o argentino El Remolón, que no final das contas contou também com a participação especial do MC Gringo!

llerena_086297llerena_086380llerena_086428llerena_086466llerena_086558llerena_086280

%d bloggers like this: