Tag Archives: zzk

El G Y El Remolón @ Cha Cha Cha – SP

18 Aug

cha cha cha

Está em São Paulo? Então não perca essa festa hoje por nada! El G, capo do coletivo Zzk, junto com El Remolón na Cha Cha Cha. Aiaiaiaiai… Isso só pode dar certo!

Uma salva de palmas a Ale Mader e a Cha Cha Cha pela iniciativa!

Cha Cha Cha – only latin beats Convida Zizek (ARG)

Prosseguindo com a sua residência no “Salão de Baile do Vegas” – novo projeto que tem agitado as terças-feiras do club precursor do Baixo Augusta – a ChaChaCha reforça sua parceria com o Zizek, festa e selo que estão redefinido a cumbia produzida na Argentina. Mantendo o foco da festa no Vegas nas sonoridades latino americanas contemporâneas e suas recentes fusões com alguns gêneros da música pop, temos o prazer de convidar dois importantes nomes da Zizek crew para a festa do dia 18 de agosto: El G e El Remolón.

Os novos hermanos convidados do coletivo argentino prometem chegar com todos gás para incendiar a pista de dança mais latina de São Paulo. Enquanto El G (que é um dos fundadores do Zizek e também o homem por trás do site cultural bilíngüe whatsupbuenosaires.com)  prepara um DJ set repleto de novidades e hits contemporâneos latinos, sua especialidade,  El Remolón, promete todo a animação e vigor habitual de suas performances ao vivo. Prepare-se para dançar até não poder mais ao som das melhores versões de cumbia villera, electro reggaetón, cumbia digital, dancehall, dubstep e muito mais.

Os idealizadores da ChaChaCha, Aletronica e HZ ,  também prometem encararam versões  DJ residente e completam o line-up da festa, com seus compilados especiais que sempre colocam a galera para bailar.

E já sabe: não esqueça de vestir sapatos confortáveis e levar junto seu melhor sorriso.

Buenas, a bailar chinitos carnavaleros!!!!!!

Cha Cha Cha – only latin beats
convida Zizek (ARG)

Dia 18 de agosto no Salão de baile do Vegas
El G (special DJ set)
El Remolón (live PA)

E ainda os residentes Aletronica e HZ!!

Serviço:
A partir das 23:30hs no Vegas Club (Rua Augusta, 765)
Ingressos:
M $15 (R$10 com nome na lista)
H $20 ($15 com nome na lista)
(lista: festa.chachacha@gmail.com ou no site do Vegas)

Saiba mais em:
www.myspace.com/festachachacha
www.flickr.com/photos/festachachacha

Buenos Aires por Zizek

12 Jul

A melhor maneira de conhecer uma cidade é pegar dicas com os locais. O dia que a Cheetah voltar a Buenos Aires, certamente as dicas que o Zizek crew deram para a XLR8R serão muito bem apreciadas!

Segue aqui uma delas. Leia o resto aqui.

MittePurr
Mitte & Purr, Av. Santa Fé 2729, local 30 y local 32

When you combine an art gallery with a bookstore and put it in the highest part of an old gallery on Avenida Santa Fe, you’re going to get some interesting results. This place also hosts a mini-rave called Rom Rom on various Saturdays during the summer: hot (really hot) afternoons, dance, art, and tropical fruit smoothies. Here, gallery owner Neeco Demo stands in front of a drawing by Elias Santis.

Rapidinhas #2

24 Jun

–Cumbia jazz–

charles mingus

Jazz e Cumbia? Porque não?! Suite de 28 minutos gravada em 1976, Cumbia & jazz fusion, de Charles Mingus, é animal. 

Charles Mingus – Cumbia & jazz fusion


–Chorando se foi

Loalwa Braz, ex-vocalista do Kaoma, estará no Brasil até a segunda metade de julho para gravar um DVD comemorativo aos 20 anos do surgimento da lambada. João Brasil, cadê você??


–O mambo dos Mutantes–

Yo te quiero mi querida
Sin tus besos non soy nada
Baila el mambo
que yo canto a ti

Uma homenagem ao Santana.

Mutantes – Cantor de mambo


–Grupo Chambelán–

fotochambelan550
Quem comprovar que existe grupo de cumbia mais tosco que o Grupo Chambelán, do México, ganha vips para a Dancing Cheetah, em julho, na Casa da Matriz.

Grupo Chambelán – El metrosexual


–Vem com tudo e o reggaetón para as massas–

Ídolo da macaca e leitor deste blog, Hermano Vianna está fazendo um belíssimo trabalho a frente dos textos do Vem com Tudo!, programete dentro do Fantástico que fala de novas tendências de gosto e comportamento no Brasil. No blog do programa, Hermano já citou o ZZK e escrevou post sobre o dancehall. É esse de lá que a Cheetah tirou essa pérola do MC Papo, um fenômeno do YouTube: seu outro hit, Piriguete tem mais de 9 milhões de hits. É o pop-reggaetón para as massas! No Brasil!

Fauna e Villa Diamante em São Paulo!

9 Jun

Sim, é isso aí! Depois da passagem de El Remólon pela Cheetah (RJ) e Baixaria (SP) no mês passado, o crew mais bem armado para a invação latina ao resto do mundo, o ZZK, volta ao Brasil para uma gig de peso. No dia 16 de junho, a festa de música latina Cha Cha Cha irá comemorar seus dois anos de vida com um festão no Vegas, em São Paulo, com nada mais nada menos que Fauna e Villa Diamante, um dos fundadores do coletivo. A Cheetah, infelizmente de férias em junho, não pode trazer os dois para o Rio. Mas não há nada que faça a macaca perder essa noite cumbiambera!

Fauna


fauna

De todo o povo do ZZK, talvez o Fauna, de Mendoza, Argentina, seja aquele com mais chances de crossover internacional. Se metade do seu apelo está nos vocais meio hip hop dos Mcs Catar_sys e Color Kit (que também são produtores ), a outra está nos beats: alguns dos mais furiosos, energéticos e explosivos de toda a América Latina. O curioso é que mesmo com o sub grave láaaa embaixo as muitas batidas quebradas sobrepostas ao tradicional ritmo da cumbia, o Fauna ainda consegue ter um quê pop. Vão longe.

Fauna – Canibal

Fauna – El zombie

Villa Diamante


villadiamante

Diego Bulacio, o Villa Diamante, é o rei dos mashups de cumbia com o pop e eletrônica internacional. Um dos fundadores do coletivo ZZK (ao lado de Nim e El G), Villa representa com seus mashups a palavra mais cara da música do século 21: mistura.

Villa Diamante – Dizzee Rascal Vs. Surtek Collective

Villa Diamante – El Remolón Vs. Beyonce & Jay Z


Um breve panorama #1 – CUMBIA

24 Mar

Este post inaugura no Blog da Cheetah panoramas wikipedianos sobre gêneros musicais caros ao universo da macaca. Pra começar a seção “Um breve panorama”, escolhemos a cumbia, gênero mais popular de vários países da América Latina e que hoje ameaça uma dominação mundial.

colombia

A cumbia nasceu na região caribenha do que hoje é a Colômbia, principalmente nas províncias de Cartagena e Barranquila, durante o período de colonização espanhola. Tentando preservar suas tradições culturais, escravos trazidos da África pelos espanhóis começaram a usar sua danças típicas e forte percussão com intuitos de flerte. Nessa época, a cumbia (que tem seu nome derivado do termo cambé, que significa festa) era mais conhecida como dança, já que a música era apenas percussiva – tambores e clavas, Numa segunda fase, influenciados pela música dos nativos habitantes de regiões montanhosas e seus instrumentos de sopro, criou-se no início do século 19 uma mistura tal que fez surgir a figura do gaitero, o intérprete. Posteriormente, surge o violão e o acordeón dos espanhóis, acrescentando aí mais um elemento numa mistura sonora que conquistou no século 20, Panamá, Mexico, Argentina, Chile, El Salvador, Honduras, Equador, Perú, Bolívia, entre outros, cada qual com a sua versão particular do gênero.

chicha libre

No Perú, por exemplo, surgiu nos anos 60 uma variação da cumbia chamada chicha. Basicamente, uma mistura de cumbia e rock, principalmente o surf rock de Dick Dale, só que com uma pegada andina nas melodias. Seleciono aqui três clássicas cumbias colombianas dos anos 60, sonoridade tida como supra-sumo pelos críticos especializados. Na sequência, destaco também duas chichas coletadas na obra prima “The roots of chicha: psychedelic cumbias from Peru”. Por conta dessa coletânea, vejam vocês, até mesmo os norte-americanos tem explorado a sua peculiar sonoridade. Entrem no myspace do Chicha Libre e confiram.

Armando Hernandez – La Zenaida

Luiz Pérez – La morena encarnacion

Alfredo Gutierrez – El diario de un borracho

Los Mirlos – El milagro verde

Los Mirlos – Sonido Amazonico

Até o século 20, a cumbia era conhecida como uma dança vulgar praticada pelas camadas economicamente mais baixas da sociedade. Isso permaneceu pelo menos até o meio do século passado, quando o termo “cumbia” passou a ser mais assossiado a música. Ainda assim, o preconceito aristocrata permanece até hoje, mesmo com a explosão popular que tomou conta do gênero na segunda fase do século 20. Durante muito tempo, seus temas não saiam muito de histórias de amor, romances impossíveis tipo novela mexicana, experiências do cotidiano, enfim, música pop. Eis que surge na Argentina uma nova sonoridade a partir dos anos 2000 através da cumbia villera, ou a cumbia das favelas. Cansados dos mesmos temas e sentindo falta de músicas que retratassem de fato a (dura) vida nos guetos, a cumbia villera surge, talvez incluenciada pela grave crise que assolou aquele país, e inaugura uma espécie de fase gangsta rap na cumbia. E tome música falando de armas, crime, tráfico e sexo.

Pablo Lescano, do Damas Gratis, é, talvez, o grande herói da cumbia villera, o cara que moldou esse tipo de som.

é um show de rock? de hardcore?? de speed-trash-metal??? não! é um show do damas gratis!!!

é um show de rock? de hardcore?? de speed-trash-metal??? não! é um show do damas gratis!!!

Damas Gratis – Re loco re mamado

Damas Gratis – Alza la manos

Quem duela pau a pau com o Damas Gratis em termos de popularidade na Argentina é o Pibes Chorros. Reparem como cai por completo o estereótipo que temos dos argentinos – Cadê as louras com carinha de européia? E os mullets??

Pibes Chorros – Que calor

Pibes Chorros – Pamela

Aqui um video com Pibes Chorros e Damas Gratis duelando num programa de auditório argentino!!

Pibes X Damas

E pra fechar, vamos mostrar duas das maiores paixões portenhas: cumbia e futebol num vídeo do Yerba Brava

sonidero nacional

Só que foi do México, mais precisamente de Monterrey, estado com uma cena fortíssima de artistas de cumbia, que surgiu o hit que levou a cumbia ao crossover internacional, muito por causa do filme Babel. Com produção de Toy Selectah, membro de um dos grupos mais famosos de hip-hop da história mexicana, o Control Machete, “Cumbia sobre el rio”, de Celso Piña, é uma bomba poderosa.

Celso Piña – Cumbia sobre el rio

Celso Piña – El tren (tanto na música acima quanto em “El Tren” os vocais estão a cargo do venezuelano Blanquito Man, da seminal banda King Changó)

tormenta tropical
Toy Selectah, também membro do Sonidero Nacional e hoje parte do cast da Mad Decent, do Diplo, tem presença ativa num dos discos mais sensacionais dos anos 2000 em todos os estilos, o “Mexican Sessions”, dos ingleses do Up Bustle & Out. Disco que dá um panorama muito bom da cena de Monterrey, recheada de flertes com o reggae, o hip-hop e o reggaeton.

Mundo Insolito – Toy Selectah/ Control Machete Remix

Up, Bustle & Out – Cumbion Mountain

zzk
É também da Argentina, através do coletivo Zizek, ou ZZK, que vem uma espécie de cumbia digital que não tem medo algum de absorver outros estilos, flertando com tudo quanto é guetto music, funk carioca inclusive. Festa, selo, e agência (os três beem hypados) com vários artistas portenhos liderados por Villa Diamante, o ZZK produz os sons mais interessantes da cumbia hoje em dia. Por conta do crossover colossal com outros estilos – os Zizeks também são muito bons nos mashups –, a cumbia está tomando conta dos Estados Unidos na forma do label Bersa Discos e da sua festa regular em São Francisco, a Tormenta Tropical. Mês que vem, o ZZK estará representando a cumbia no mais importante festival de música hoje, o americano Coachella. Se hoje já tem até holandês fazendo cumbia, o sensacional Sonido Del Principe, depois do Coachella el cielo es el límite.

Termino este breve panorama cumbiambero com 4 pepitas do Zizek crew, uma delas com uma certa cantora que vocês devem conhecer, e um petardo subsônico do Sonido Del Principe via Bersa Discos. Cuuuuuuuuumbia!!!

frikstailers

Frikstailers – Ta duro kuduro

El Trip Selector – Cumbia del piano triste

El Remolon feat. Marina – Vem que tem

Sonido del Principe – El principe

%d bloggers like this: